quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O Universo e o meu aquário


Apreciei mais profundamente o que significa controlar um Universo quando mantive um aquário de água salgada. Gerenciar um aquário marinho, descobri, não é tarefa fácil. Precisava manejar um laboratório químico portátil para monitorar os níveis do nitrato e o conteúdo de amônia. Bombeava dentro deles vitaminas, antibióticos e sulfa, e enzimas suficientes para fazer crescer uma rocha. Filtrava a água por meio de fibras de vidro e carvão, e o expunha à luz ultravioleta. Era de esperar que, à vista de todos essa energia despendida em benefícios dos meus peixes, eles ficassem pelo menos gratos. Mas não. Toda vez que minha sombra aparecia por cima do tanque, eles mergulhavam em busca de abrigo na concha mais próxima. Demonstravam só uma “emoção”: medo. Embora eu abrisse a tampa e jogasse dentro alimentos em horários regulares, três vezes ao dia, reagiam a cada visita como sinal certo de meus desígnios de tortura-los. Eu não podia convence-los de minha verdadeira preocupação.
Para os meus peixes eu era a divindade. Era grande demais para eles; minhas ações, incompreensíveis demais. Meus atos de misericórdia, eles os viam como crueldade; minhas tentativas de cura-los, consideravam-nas destruição. Mudar suas perspectivas, comecei a entender, exigia uma forma de encarnação. Eu teria de me tornar um peixe e “falar” a eles em uma linguagem que pudessem entender.
Um ser humano transformando-se em peixe não é nada se comparado a Deus tornando-se bebê. E, de acordo com os evangelhos, foi o que aconteceu em Belém. O Deus que criou a matéria tomou forma dentro dela, como um artista que se tornasse uma mancha em uma pintura ou o autor de uma peça que se transformasse em um personagem dentro de sua própria peça. Deus escreveu uma história nas páginas da história real utilizando personagens verdadeiros. A Palavra se tornou carne.

Philip Yancey

sábado, 10 de setembro de 2011

Treinamento Microregional em Campinas


Maiores informações:  
http://www.abub.org.br/regiao/spms/eventos/2011/08/tmr-em-campinas
http://www.facebook.com/event.php?eid=171915496217867

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Treinamento da ABU em Limeira!


terça-feira, 23 de agosto de 2011

O poço sem fim de Deus


“Quem crê em mim, do seu interior fluirão rios de água viva.” João 7:38.

Você não precisa de goles regulares do reservatório de Deus? Eu preciso. Em situações incontáveis – encontros estressantes, dias monótonos, muito tempo dirigindo, viagens exigentes – e muitas vezes por dia, eu piso na mola subterrânea de Deus. Ali eu recebo novamente o Seu trabalho pelo meu pecado e morte, a energia do Seu Espírito, Sua senhoria e Seu amor.

Beba comigo desse poço sem fim. Você não precisa viver com um coração desidratado. Receba o trabalho de Cristo na cruz, a energia do Seu Espírito, Sua senhoria sobre sua vida, Seu amor constante e sem fim.

Beba totalmente e frequentemente. E do seu interior fluirão rios de água viva.

Max Lucado

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

A menina que calou o mundo por 5 minutos


quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Mais uma guerra mundial!


Anos atrás o noticiário mundial se voltou para o Irã e seus laboratórios de enriquecimento de urânio. O temor é que esse país esteja construindo uma arma nuclear. Cidades inteiras, como a nossa Curitiba, podem ser destruídas com apenas uma bomba nuclear. Num piscar de olhos BOOOM e já éramos! Eu conheço uma arma muito mais poderosa. Indestrutível e eterna. Existe também uma nação na terra mais poderosa que essas e que sabe usar muito bem essa grande arma.  É fácil fazer uma arma que só destrói. Difícil é fazer uma arma que cativa, atrai e seduz.
2 Co 10: 3-6 diz: (...) não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas; destruindo os conselhos e toda altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo entendimento à obediência de Cristo, (...)
Essa sim é uma arma muito boa. Destrói o que é ruim e cativa para o que é bom! Essa arma está disponível para você!
O General já deu a ordem de ataque!
Digo isso a vocês para que percebam que o tempo é agora! Acorda! Jesus está voltando! O tempo de trevas já passou e é tempo de luz. Tome as armas da luz e vamos ao ataque!
É hora de atacar! Saquear o inferno e povoar os céus.
Pegue suas armas que a guerra já começou. E a vitória já está garantida! O general vai à frente. A guerra é Dele e Ele nunca perdeu uma batalha.
Ame a volta de Jesus e entre nessa guerra!

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Amor: mais do que um bom sentimento

Nas Escrituras encontramos a garantia do amor de Deus e somos lembrados de que a prova do seu amor ilimitado é que Cristo morreu por nós (Romanos 5:8; 1 João 4:9-10). Mas o amor não pretende simplesmente nos fazer sentir bem, mas, especialmente, nos motivar a seguir os passos da bondade de Deus.
O amor, às vezes, exige atitudes práticas e até mesmo desconfortáveis.

  • O amor é extremamente necessário (1 João 3:11,23; 4:11). Somos orientados a servir uns aos outros.
  • O amor é demonstrável (1 João 3:14; 4:7,20). Nosso amor a Deus é demonstrado no mesmo grau em que demonstramos amor aos outros.
  • O amor é ativo, é uma ação da vontade (1 João 3:17). Somos orientados a realizar ações de amor. Se fecharmos os olhos ás necessidades dos outros, nosso amor a Deus será questionado.
  • O amor é responsivo (1 João 4:19). Somos capazes de amar porque fomos e somos amados por Deus. Esse amor nos motiva a responder amorosamente aos outros (1 João 4:21).

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Hillsong no Brasil

domingo, 24 de julho de 2011

Carta de Deus para você!

video

Não tem nada a ver

Nossa geração está se acostumando com a ideia de que a verdade é subjetiva e de que cada um tem a sua própria verdade. Para ser mais preciso, nossa geração parece descrer da verdade. Cada um tem a sua experiência. Cada um decide o que é bom. Cada um escolhe o que mais lhe agrada e ninguém pode interferir nessa escolha. Vivemos num mundo plural, com muitas ideias, conceitos e valores. A ética é privativa, ou seja, eu faço minhas escolhas e ninguém tem o direito de dizer se elas são certas ou erradas, até porque as pessoas estão confusas sobre a linha divisória que separa a verdade do erro. Nesse emaranhado de ideias as pessoas que são confrontadas em sua forma de pensar ou agir respondem de imediato: “isso não tem nada a ver”.


Qual é a filosofia que está por trás dessa frase? O que ela significa? O que ela induz?
1. Ela empurra as pessoas incautas para um conformismo cego com as aberrações ditadas pelo mundo. O mundo é um sistema que não leva em conta a verdade de Deus. O mundo tem a sua própria maneira de ver a vida. O mundo está posto no maligno e o maligno é o espírito que atua nos filhos da desobediência. Ser amigo do mundo é tornar-se inimigo de Deus. Amar o mundo é desprezar a Deus. Conformar-se com o mundo é inconformar-se com Deus. O mundo escarnece dos princípios da Palavra de Deus. De acordo com os ditames do mundo uma pessoa pode ser infiel ao seu cônjuge, os jovens podem ter sexo antes do casamento, as pessoas podem entupir suas mentes com filmes indecentes, a homossexualidade é apenas mais uma opção legítima, os jogos de azar são apenas uma diversão ou uma chance mais fácil de ficar rico, as boates com suas músicas sensuais e luzes sedutoras são apenas mais um ambiente que os crentes podem curtir sem nenhum conflito.


2. Ela enfraquece na mente dos crentes a ideia do certo e do errado. Ela induz as pessoas a pensarem que não existe uma verdade absoluta e que cada um pode fazer suas opções, ainda que na contra mão do bom senso, da lógica e da verdade e ainda assim, não estar em desacordo com os princípios de Deus. Precisamos entender que existe luz e trevas, certo e errado, verdade e mentira. O crente precisa posicionar-se. Ele não pode conformar-se com o erro. Ele não pode ser um seguidor da mentira. Ele é filho da luz. Ele precisa repudiar as obras do mal. Ele não pode ser massa de manobra e produto do meio. Ele precisa apresentar-se a Deus, inconformar-se com o mundo e transformar-se pela renovação da sua mente. O crente não pode ficar em cima do muro. Os covardes não entrarão no Reino de Deus. Quem não é por Cristo, é contra Cristo.

3. Ela apaga no coração do crente a ideia da santidade de Deus. Deus é santo e não pode contemplar o mal. Deus é luz e não tem comunhão com as trevas. Deus abomina o pecado. Ele exerceu juízo contra o pecado e demonstrou infinito amor pelo pecador ao mandar o Seu Filho ao mundo para morrer em nosso lugar e favor. Amar o pecado é ultrajar o sangue de Cristo. Deleitar-se no pecado é uma ofensa ao amor de Deus. Viver no pecado é colocar-se debaixo do juízo de Deus. Tentar agradar a Deus e ao mundo, procurando explorar o melhor das duas realidades é enganar-se a si mesmo. Deus não inocenta o culpado. Ele é fogo consumidor. Ele é o vingador contra aqueles, que, embora, professam conhecê-lo tapam os ouvidos aos princípios da Sua Palavra.


Em vez de nos curvarmos à permissiva filosofia do “Não tem nada a ver”, devemos nos submeter à eterna e infalível Palavra de Deus.

Hernandes Dias Lopes

segunda-feira, 18 de julho de 2011

O presente de Deus para você


"Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna." João 3:16

Você não se alegra de que o versículo não diga:
"Porque de tal maneira Deus amou aos ricos…"
ou, "Porque de tal maneira Deus amou aos famosos…"
ou, "Porque de tal maneira Deus amou aos magros…"?
Não o diz.
Tampouco diz:
"Porque de tal maneira amou aos europeus ou africanos…"
"…aos sóbrios ou aos triunfadores…"
"…aos jovens ou aos velhos…"
 Não o diz tampouco.
Quando lemos João 3.16, simples (e felizmente) lemos: "Porque amou ao mundo de tal maneira".
O quanto largo é o amor de Deus?
O suficientemente largo para alcançar o mundo todo. Você está incluído no mundo? Então está incluído no amor de Deus.
É formoso estar incluído em algo. Mas nem sempre o estamos.
As universidades o excluem se não for suficientemente inteligente. O mundo dos negócios o exclui se não estiver suficientemente qualificado e, infelizmente, a sociedade o exclui se não estiver de acordo com os padrões estabelecidos pela mesma.
Mas embora todos eles o excluam, Cristo o inclui. Quando lhe pediram que descrevesse a largura de seu amor, estendeu tudo o que pôde uma mão à direita, e outra à esquerda, e pediu que seus verdugos as cravassem nessa posição sobre a cruz, para que você soubesse que Ele morreu lhe amando.

Max Lucado (Adaptado)